segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

À memoria do Armando Pinto Lopes

(Por Joaquim Boavida, José Vaz, João Rodrigues e Luís Marques)


"Morremos a cada dia, a cada dia falta uma parte da nossa vida."

Séneca


A vida muitas vezes dá-nos punhadas no peito que nos causam imensa dor…
Ontem ao final do dia fomos surpreendidos por uma notícia que, apesar de ser já aguardada, caiu sobre nós como um raio fulminante: faleceu o Armando Lopes, vitima de doença implacável.
Sabíamos que o seu estado de saúde não era o melhor. foram dois anos de sofrimento. Há poucas semanas deu entrada no Hospital de Coimbra em estado que inspirava sérias preocupações.
Ontem deixou-nos. Ou melhor, despediu-se de nós até que nos reencontremos  qualquer dia.

Aqui ficam as sentidas palavras dos seus camaradas de Companhia e que com ele partilharam mais perto bons e maus momentos, Joaquim Boavida, José Vaz e João Rodrigues:


Armando Lopes e Joaquim Boavida


"À memória do Armando, meu camarada de guerra
Quando um amigo parte, a língua entaramela-se, as palavras fogem-nos. Já esperada, a notícia chegou, abruptamente, ao final da noite. Provavelmente já te encontrarás à vontade entre novos amigos, sem saudade dos últimos dois anos. Agora que começaste uma última viagem, a única evidência é caminhar para o sol. Adeus."
Joaquim Boavida

"Não há palavras quando um amigo parte (…) e hoje, pelas 21 horas, dia 6 de Dezembro de 2015, deixou de estar entre nós o ARMANDO PINTO LOPES (ex-alferes da 1.ª Companhia 4611/72).
À esposa, às filhas, à família enlutada e a toda a grande família “Batalhão 4611/72”, deixamos em nosso nome e da 1.ª Companhia, as palavras impossíveis de uma sentida tristeza, um abraço amigo e o sentido de sempre estar presente nas NOSSAS MEMÓRIAS"
Boavida, Vaz e Rodrigues

5 comentários:

Joao Alonso disse...

Um Abraço.
J. Alonso

Jose disse...

Como sempre,participo nas coisas boas passadas no nosso Batalhão, com entusiasmo, sempre há espera de boas surpresas...Infelizmente não é o caso,não é boa, talvez a que fere mais, o íntimo de cada um da nós.
Deixou-nos mais um nosso "familiar", o inevitável aconteceu, foi mais um nosso "irmão" que nos disse adeus, um adeus para sempre, tal como todos os outros que já nos deixaram.
Não conheci pessoalmente o ex.Alf. Armando Pinto Lopes,já tive oportunidade de dar as minhas condolências há família através, do João Rodrigues, e Boavida, que deram a triste notícia, resta-me, deixar este meu testemunho, em que ficamos mais pobres... É o percurso da lei da vida... Sempre unidos Batalhão de Caçadores 4611/72.

Luís Marques disse...

Um abraço Zé Veiga. Estás sempre presente nos bons e nos maus momentos no que respeita ao Batalhão de Caçadores 4611/72.

Jose disse...

Olá Luis!.. Mais não faço, do que a minha obrigação, em relação ao nosso "cordão umbilical" que é o Batalhão Caçadores, 4611/72 no seu todo.
A capacidade de todos, em relação ao que nos liga, é precisamente isso, estar nos bons,e menos bons momentos, de todo o nosso universo... Há situações irreversíveis, da qual nada podemos fazer, esta, e outras assim tão frias, só nos dão coragem para enfrentar as situações, de peito feito... Com dignidade, com o sentimento de dever cumprido... Até sempre amigo!..

Carlos Eufrásio disse...

Carlos Eufrásio
Não pertenci ao vosso batalhão mas convivi convosco alguns meses em 1974, quando estive em Cabinda com um pelotão de morteiros, ficando em Cabinda quando vocês vieram embora por Novembro de 1974, tendo vocês feito festa de despedida de que guardo fotos. A foto em que está o Joaquim Boavida e o agora falecido Armando Pinto Lopes faz-me lembrar uma foto parecida em que eu estou no mesmo local e outros de vós também lá estão. O pessoal do Pelotão de Morteiros teve este ano em Braga o quarto encontro anual, verifico que vocês também se encontraram recentemente. Pode ser que seja possível um encontro mais amplo no futuro, quem sabe? Por hoje, a todo o pessoal do batalhão, mas especialmente ao pessoal da companhia (1ª companhia?) que estava no aquartelamento mais próximo da fronteira do Iema, com dois (?) "bons restaurantes" em frente à porta de armas, de Coimbra envio um abraço do tamanho do Mundo, saúde para os que cá estão e paz para os vossos e os meus que não estando fisicamente já entre nós, continuam presentes entre nós enquanto a nossa memória funcionar e quando essa mesma memória deixar de funcionar, naturalmente voltaremos a reencontrar-nos. Saúde e paz para todos.
5/Julho/2016

BATALHÃO DE CAÇADORES 4611/72

BATALHÃO DE CAÇADORES 4611/72
conduta brava e em tudo distinta